Entrevista com a cantora Jake Trevisan

LFB – Olá, Jake! É um grande prazer estar com você e aprender um pouco com a sua experiência! Você é uma cantora católica de um segmento bem específico que é o Axé. Você já tem uma longa caminhada como ministra de música na Igreja, certo? Gostaria que você falasse um pouco sobre o processo que a levou a cantar apenas esse estilo de música. Foi muito difícil abrir mão de outros estilos e possibilidades?

Jake – É com muito carinho que partilho minha vida e missão com vocês. A Paz e o Amor de Nosso Senhor!

Sou, em primeiro lugar, uma missionária. Utilizamos a música como uma rede de pesca e sabemos o quanto ela tem o poder de alcançar vidas. Comecei a cantar no serviço ao altar, na música litúrgica, em missas na minha paróquia. Não me considero uma cantora de um estilo, mas da canção evangelizadora, que se renova e se aperfeiçoa mediante a mudança do mundo e da cultura.  Já lancei três CDs de música percussiva, mas sempre em meus CDs houve também músicas contemplativas, pois em meus shows ministro o louvor e a oração. Não permanecerei somente no axé, mas passearemos por muitas outras referências musicais para assim alcançarmos muitas outras vidas.

LFB – Como é a sua missão dentro desse nicho que você adotou? Você recebe que tipos de testemunhos do seu trabalho?

Jake – Através do carisma da alegria, percebo a grande identificação do público comigo, pois o povo brasileiro tem a marca da alegria e festa. Desta forma, buscamos aproximar a linguagem evangelizadora a esta identidade do povo brasileiro. Nós missionários somos chamados a fazer esta leitura do povo, da cultura, das realidades sociais, para então aplicarmos com discernimento à ação evangelizadora. Por isso não canto o que mais gosto ou escolhi ou adotei. Canto o que sou inspirada pelo fruto do estudo, da oração e da minha experiência de vida.

LFB – Você já recebeu críticas por lidar com esse gênero musical ou por alguma característica do seu ministério, como danças, figurino etc.? Como você costuma lidar com essas críticas?

Jake – No início da minha trajetória houve uma certa desconfiança por parte das lideranças católicas em relação às influências afros, porém com o tempo pude mostrar uma missão concreta e não aventureira. O novo sempre será objeto de rejeição. Já me acostumei com isto. Prefiro sempre inovar. Ser referência desta ousadia e inovação. Prefiro ser fiel à inspiração. Na atual conjectura em que ser negro, pobre, feio, gordo ou deficiente, é motivo pra bullying e exclusão, nós evangelizadores não podemos permitir intimidação diante das diferentes manifestações do Espírito de Deus. Nosso Deus sempre se manifestou e se manifestará nas diferenças.

LFB – O seu trabalho não envolve somente música, mas o seu show tem um apelo visual muito forte. Fale um pouco sobre como você busca fazer tudo isso com excelência para o público e para Deus, acima de tudo.

Jake – Somos chamados a IR AO ENCONTRO; além dos muros da igreja. Isto significa evangelizar os não evangelizados, o que exige de nós capacitação, preparo, estudo. Em busca destas novas vidas para Deus, faz-se necessária uma estruturação de equipe, de produção, de suporte espiritual, de profissionalização que requer a nossa total entrega de vida (dedicação e comprometimento), investimento e trabalho, muito trabalho. Se oferecermos cachaça e um som meia boca, vamos lotar o baile funk, ou o forró ou a “sofrência”. Mas pra falarmos de Deus temos que superar as expectativas, sermos eloquentes, confiáveis, profissionais. Precisamos utilizar a técnica a nosso favor, as belas produções e acredite, ainda assim haverá resistência, pois o Reino do Céu é o da porta estreita.

Por isso realmente me preocupo com figurino, com o profissionalismo da banda, com a seriedade de todos da produção, com o esmero em ensaios da dança, e principalmente com a constante consagração de todo o trabalho para que o Senhor edifique e se torne possível tocar corações através da obra. E se isso custa caro? O nosso serviço e missão não tem preço. Em primeiro lugar esta obra é a minha busca individual por salvação. Mas para manter o serviço de todos os envolvidos, os gastos da produção, precisa-se de recursos financeiros SIM. São famílias envolvidas que vivem somente para a evangelização. E, além disso tudo, investimos o tempo para a obra se aperfeiçoar e ir adiante. A evangelização custa caro!

LFB – Qual é o lugar da espiritualidade na sua vida e no seu ministério? Como é o seu jeito predileto de rezar?

Jake – Sem intimidade com Deus, relacionamento, escuta, parceria, amizade com Nosso Senhor, não vamos a lugar algum. Tudo é fruto do nosso enamoramento, do AMOR pelo Senhor. Primeiro amamos, adoramos, sentimos o cheirinho do cangote do Senhor. E somente depois somos inspirados a seguir e colocar a serviço nossos dons.

Rezo no carro, rezo deitada, rezo diante do Santíssimo Sacramento, rezo no chuveiro, rezo na madrugada, rezo o rosário, rezo sempre: “Senhor eu creio, adoro, espero, amo-vos e peço-vos perdão pelos que não creem, não adoram e não esperam”. Rezo com meu esposo, com minha mãe, com todos os irmãos que realizam a missão comigo. Rezo antes de comer e sempre ao sair de carro ou avião. Faço sempre uma oração livre e simples, sem exigências, não ritualística. Mais vale uma “Ave Maria” com fé e devoção do que um rosário de repetições vazias e sem reparação, e sem amor por Maria. Penso assim… Coloco o meu amor pelo Senhor bem acima das obras e feitos.

LFB – Sua primeira música de trabalho “Pó pará com pó” viralizou na internet, em parte por causa da divulgação em sites bastante populares, inclusive de humor. Como você lidou com essa fama repentina e com as consequências dessa exposição inesperada?

RESP.: A repercussão da música “Pó pará com pó” foi, antes de mais nada, Deus me dizendo: “Veja o que sou capaz de fazer. Onde te levo. Como te uso.” Um pequeno sinal do impossível que Deus tornou real. Não há limites para o Senhor. Aumentou minha responsabilidade em ser fiel e submissa ao Senhor (deixá-lo realizar tudo em minha vida) e me motivou muito a trabalhar para ir muito além de onde os olhos podem ver.

LFB – Jake, muito obrigado pela sua generosidade em partilhar conosco um pouco da sua caminhada e da sua missão. Deixe agora uma mensagem para os leitores desse espaço sobre música católica:

Não duvide do poder de Deus! Se Ele te inspirou é porque realizará impossíveis. Esteja onde você estiver, com as possibilidades e recursos que você tiver: TENHA FÉ. Ande sobre as águas e não afunde por medo, dúvida, desânimo. Tudo Ele fará a seu tempo. Caminhe firme na estrada. Uma hora dessas nos encontraremos em algum trecho. Deus nos abençoe!

Faça um comentário