Não queime etapas

Rita canta muito bem e o povo da sua paróquia faz questão de dizer-lhe isso a cada missa. Sempre ao final procuram-na para dizer que sua voz é linda, que ela é uma abençoada e “ungida”. Por causa disso ela foi para o estúdio tirar umas fotos produzidas e colocar telefone de contato nas redes sociais divulgando seu show.  Jorge, assim que começou a tocar violão no grupo de oração, começou a também a compor umas músicas. Quando completou 12 músicas achou que era hora de gravar um CD, juntou uma grana e pagou um estúdio perto da sua casa para gravar e comercializá-las.

Rita canta muito bem e o povo da sua paróquia faz questão de dizer-lhe isso a cada missa. Sempre ao final procuram-na para dizer que sua voz é linda, que ela é uma abençoada e “ungida”. Por causa disso ela foi para o estúdio tirar umas fotos produzidas e colocar telefone de contato nas redes sociais divulgando seu show.  Jorge, assim que começou a tocar violão no grupo de oração, começou a também a compor umas músicas. Quando completou 12 músicas achou que era hora de gravar um CD, juntou uma grana e pagou um estúdio perto da sua casa para gravar e comercializá-las.

Uma carreira artística, seja religiosa ou não, é consequência do acúmulo de uma série de experiências pessoais, desenvolvimento técnico, amadurecimento artístico e estabelecimento de rede de contatos que é fundamental para que um grande projeto não acabe rapidamente como um fogo de palha. Nessa grande equação, o talento é apenas um fator que precisa se aliar a vários outros para que uma carreira se estabeleça. Sendo assim, somente o tempo é capaz de nos fornecer ferramentas para desenvolver nosso ministério com mais maturidade e discernimento. Deus nos fala muito mais através dos sinais que vão surgindo em nossa vida que em manifestações sobrenaturais. Não que elas não existam, mas são exceção, não regra.

Falo isso por minha própria experiência. Nesse processo de finalização do meu segundo disco solo, percebo o quanto os anos que levei nos serviços da paróquia (dos quais nunca me afastei) e colecionando experiências aqui e ali, são hoje os alicerces do meu trabalho. Não sei o que seria de mim sem eles. E os amigos… Ah, os amigos… Que tanto me apoiaram, corrigiram, esculhambaram (quando necessário) foram fundamentais para que eu hoje acreditasse ser possível fazer algo diferente, “com a minha cara”.

Não desprezemos as pequenas experiências e o tempo necessário para que as ideias amadureçam. Não tire o bolo do forno antes da hora. Comida de micro-ondas esquenta rápido, mas também esfria rápido…

Luís Felipe Barbedo

Faça um comentário